Vírus não segue ideologia política!

Hoje é dia 31 de março de 2020, estou em quarentena desde o dia 07. Em princípio, quarentena (mais ou menos) voluntária e, logo após as duas primeiras semanas, em quarentena oficial.

Não, não é fácil. É melhor do que para muita gente e pior do que para outras pessoas. Exatamente como a vida era antes, desigual, mas não é fácil para ninguém. E não vim aqui julgar nem defender meu ponto de vista, venho apenas fazer um alerta. Porque eu mesma já mudei de ideia algumas vezes e não tenho certeza de nada. Francamente, acho que ninguém tem.

Não vejo essa crise com olhos românticos de arco-íris, como uma oportunidade para evoluirmos, para a terra descansar, para deixarmos de ser tão individualistas… e blá, blá, blá… Tampouco vejo motivo para pânico, não porque seja algo simples de se resolver, mas porque não temos alternativa diferente da que manter a calma. E, veja bem, não condeno quem pense dessa ou daquela maneira, cada um tem sua própria forma para tornar sua realidade mais tolerável, suas crenças, seus valores e, à essa altura, nem importa mais. Simplesmente, sou fatalista, acho que deu merda, ponto! E agora, como a gente faz para sair dela?

Uma vez, fui assistir a um jogo de futebol com Luiz, na arquibancada que é onde eu gosto, estádio lotado! Bem na nossa frente, do outro lado do campo, uma tragédia aconteceu. A grade da arquibancada cedeu e as pessoas começaram a cair. Lembro que no início não havia entendido que era gente caindo, achei que eram balões coloridos, quase achei bonito. Mas de repente, meu sorriso se desfez, era gente e era sério. Meu primeiro instinto de sobrevivência foi observar ao lado para me defender, buscar as rotas de fuga mais seguras, tive medo que as pessoas entrassem em pânico e começassem todas a correr ao mesmo tempo. Não teria resolvido o problema de quem já havia caído e poderia se converter em uma tragédia muito maior. Mas isso não aconteceu. Quem estava próximo ao acidente tentou ajudar, quem não podia ajudar, abriu o caminho e quem estava mais afastado da cena se sentou em silêncio. Como se houvéssemos sido treinados a vida inteira para isso. Sim, caríssimos, isso aconteceu em pleno Maracanã, jogo do Flamengo, povão mesmo! Imperou o bom senso e essa atitude, literalmente, salvou vidas.

É um pouco como me sinto agora, no início, achei que não era tão ruim; em seguida me dei conta da gravidade da situação. Até o momento, só posso agradecer não estar do lado da grade que despencou, abrir caminho e aguardar as instruções em silêncio o suficiente para ouví-las.

Tenho observado bastante, tudo, tentando entender, tentando decifrar os códigos, buscando analogias, tentando prever que passos tomar, que direção seguir. Mas acho que mais do que tudo, tenho aprendido a ouvir e ser resiliente.

A sensação que tenho é de estar vivendo a 3a. Guerra Mundial. Porque não tenho ilusões, já não importa de onde veio ou de quem é a culpa, estamos mundialmente nesse barco. Nunca imaginei que o que nos uniria a todos seria justo um inimigo comum. Menos ainda, que o enfrentaríamos vestidos com pijamas.

E, quanto a isso, o Brasil em especial tem uma enorme desvantagem, porque nunca viveu em campo um período de guerras mundiais. Temos algumas situações similares, quase que mini guerras civis e desorganizadas, mas é diferente. De certa forma, os tempos de guerra ainda estão no DNA europeu. Em situações assim, há uma tecla automática na cabeça das pessoas e elas sabem como se comportar. Sabe tiroteio no morro? As pessoas se jogam no chão imediatamente, crescem ouvindo que precisam fazer isso e o fazem quase que por instinto. É parecido em conceito. Levei um tempo extra para entender, por não ter sido criada aqui, mas estou aprendendo a me comportar em um período de guerra.

Aprendi rapidamente algo que ainda não entrou na cabeça dos brasileiros, vírus não segue ideologia! Não tem vírus de direita ou de esquerda, ele mata ou danifica igualzinho! Não se cura vírus na marra com discussão política! Vírus não é machista nem feminista! Vírus não tem preferência sexual! Vírus não respeita prazo eleitoral! Vírus não quer saber em quem você votou ou deixou de votar, muito menos quem você acha que é ou não idiota!

O brasileiro em geral está tratando uma situação de guerra da mesma forma com que trata suas preferências políticas, religiosas ou futebolísticas. Ao invés de se concentrar em uma solução, querem definir quem está certo.

E quem está certo? Vamos lá, no momento, há um presidente que acredita que algo capaz de mudar a economia do planeta não é mais que uma gripezinha; governadores absolutamente radicais que não medem as nuances e diferenças sociais existentes em função das suas próprias ambições pessoais; e há também as lideranças mudas, com medo de tomar algum lado que os atrapalhe o futuro político. De quebra, praticamente um golpe parlamentarista montado tentando buscar uma brecha a todo custo. Para mim, estão todos loucos! E até aí, morreu neves afogado em cuspe! Porque o que eu acho ou deixo de achar também não importa.

O que me ferra é ver as pessoas, ao invés de estarem se unindo e buscando soluções, estarem mais preocupadas em xingar os covardes que organizam carreatas ou os hipócritas que só ficam em casa porque não querem trabalhar… e tantos outros absurdos que me provocam vergonha alheia. Galera, não importa. Não importa se você votou certo ou errado, nem se o outro lado seria muito pior ou melhor… foda-se! O passado passou e o que vem pela frente vai precisar um pouco mais do que paixões pessoais.

A verdade é muito mais complexa e tem vários lados! O isolamento social tem se provado eficiente pelo mundo? Sim! É importante seguirmos essa linha? Fundamental! Podemos usar uma solução que funciona em países desenvolvidos e acreditar que vai funcionar igualzinho em países pobres ou em desenvolvimento? Hummm… sério!

Vou dar um exemplo. Na casa da minha mãe trabalha uma diarista há “trocentos” anos! Obviamente, ela não consegue ir até lá, porque não pode pegar o trem. Ah, mas minha mãe deve ser mais uma aproveitadora dessas que está mais preocupada em ter que fazer ela mesma o terrível trabalho de casa… Certo, então, ao invés de julgar tão rápido, deixa eu terminar a história. Minha mãe estava tentando pagar as diárias, mesmo sem ela ir e sem fazer o trabalho, afinal, o marido dela está desempregado e sem o valor da faxina, a família não come! Lindo, né? Só um detalhe, a diarista simplesmente não tem conta bancária! Como é que faz? Você acha que essa é uma exceção? Porque eu acho que é a regra.

E, por favor, esse é só um exemplo! Não estou definindo que o comportamento do país precise ser assim ou assado exclusivamente considerando a diarista da minha mãe, ok? Tem gente irresponsável sim, tem gente preguiçosa, gente egoísta, no mundo existe de tudo! Mas também tem muita gente tentando se proteger, se adaptar, ajudar. O mundo e, nesse caso em especial o Brasil, precisa de soluções razoáveis e não de um debate político!

É fácil falar desde Londres? Claro que sim! Agradeço todos os dias por estar fora, mas minha família e muitos amigos ainda estão dentro e me preocupo legitimamente com isso. Também lembro que a distância traz perspectiva e o fato de vivenciar primeiro aqui na Europa o ocorrido ajuda a prever alguns possíveis acontecimentos.

Galera, é guerra e é sério, se preparem! Assim como nas outras guerras, há luz e vida no fim do túnel, mas o preço é alto. Não é que o mundo não será mais o mesmo, o mundo já não é mais o mesmo. Entuba, levanta e se adapta rápido!

Não quero terminar de maneira pessimista, confesso que independente da motivação, mais ou menos nobre, tenho notado muita coisa bacana também. Sempre esperei um momento Saramago (“Ensaio sobre a Cegueira”) em situações assim e, na prática, o que tenho visto é uma maturidade, generosidade e bondade que me emocionam. Quero acreditar que sairei dessa uma pessoa melhor, talvez seja eu agora tendo um momento arco-íris. Porque preciso acreditar que tudo vai dar certo.

Importa menos o que seu presidente disse, importa menos o que seu governador ou parlamentar disse, simplesmente, busque seu instinto, seja humano. Olhe para seu vizinho, procure fazer o que é certo. Se você está próximo, ajude. Se não puder ajudar, abra caminho. Se estiver do outro lado, sente em silêncio e aguarde.

Quarentena em Londres

Esse não é um post motivacional para ninguém. Não darei mil dicas ótimas para quem quer aprender grego on line ou arrumar perfeitamente o armário da cozinha. Tampouco posso informar como vai a vida na cidade, como eu saberia? Estou em casa. Não busco consolo nem explicações e, por favor, mas por favor mesmo, não me enviem outros 329 vídeos sobre o tema!

Sabe qual é a única coisa que eu quero nesse momento?

Eu quero reclamar!

Reclamar em paz! Sem comprovações científicas! Sem todas as histórias de que poderia ser muito pior! Sem lições de moral! Sem parecer a louca da teoria da conspiração! E, sério, o pior de tudo, sem paternalismo barato! I don’t need to be patronized!

Eu só quero re-cla-mar!

E, taqueopareo, que saco é ter que ficar em casa!

Estou de quarentena desde o dia 07 de março, hoje é dia 23.

Veja bem, Londres só lançou medidas mais severas recomendando que evitássemos ao máximo sair a partir da última sexta-feira, dia 20. Entretanto, eu havia chegado da Espanha pouco antes deles fecharem tudo. Itália já estava complicada… Luiz achou melhor a gente ficar em casa, por via das dúvidas e só sair para o essencial.

Saímos rapidamente para fazer compras, quando necessário, fizemos isso apenas um par de vezes. A maior parte dos suprimentos, consigo que me entreguem com compras on line. E eu já comprava on line antes, assim que não mudou tanto a rotina. A não ser pelo fato de estar bastante difícil conseguir datas de entregas, tive que deixar reservado alguns espaços semanais. Mantenho um pequeno estoque de não perecíveis, nada tão gigantesco, nem tenho espaço para isso no apartamento. Além da consciência me pesar um pouco em deixar alguém sem produto. Não me falta nada e não faltará.

Das duas vezes que saímos rapidamente para compras, Luiz foi de máscara, eu não. Normal, ele é sempre mais preocupado e precavido com essas coisas do que eu.

Francamente, não estava com um pingo de medo do raio do corona vírus, aliás, continuo sem estar. Mas entubei a quarentena em consideração a ele e aos demais. Hoje faz 17 dias que estamos em reclusão, seguiremos enquanto faça falta, mas acho que adquiri o direito de, ao menos, poder reclamar!

E para quem começou seu “distanciamento social” agora, vou logo avisando, não fica mais fácil! Prepare seu espírito. O problema é o seguinte: qual seria a opção? Contribuir para a morte de alguém? Você quer colocar essa na sua conta?

Fingir que um problema não existe não faz com que ele vá embora.

Veja bem, disse e repito, euzinha yo myself, não tenho medo do vírus no que se refere à minha saúde. Posso mudar de ideia na semana que vem, mas hoje eu não tenho. Sou relativamente jovem e tenho uma saúde de leoa! Exceto pela quarentena, os hábitos e os alimentos aconselhados nesse período para a prevenção, fazem parte da minha rotina há anos! Não acho impossível que eu contraia a doença, nem sei se já não contraí, mas não vejo como uma ameaça eminente (nem iminente) para mim.

E essa não é uma postura que tenho em relação a esse vírus especificamente, mas a postura que tenho em relação a qualquer doença.

A questão é, não importa o que eu pense em relação a mim. O “eu” não importa, porque o que está em jogo aqui é o “outro”. É por quem não tem a mesma resistência, quem não tem o mesmo acesso a cuidados básicos, quem não pode fazer uma quarentena, quem não tem escolha.

Ah, mas é um sacrifício que farei por uma pessoa que eu nem conheço?

É, a vida é assim, foda-se (com carinho). Hoje eu não conheço, amanhã pode ser com alguém muito querido e depois de amanhã, pode bater à minha porta.

Porque não se iluda, o que toca a um, nos tocará a todos. Portanto, faça pelo motivo que quiser! Por altruísmo, por heroísmo, por medo, por amor ao próximo ou pelo mais legítimo egoísmo… não importa!

Fique em casa!

Ah, mas essa história certamente foi inventada em laboratório pelos chineses com intenções sórdidas…

É possível! Cá entre nós, teóricos da conspiração, porque eu sempre fui e sempre serei, também acho. Mas outra vez, não importa o que eu ache! Se foi um plano, funcionou. Criado em laboratório ou na natureza, está aí e tem gente morrendo, ponto. Primeiro a gente resolve o problema, depois a gente busca um culpado, ok? Até porque, quem seria capaz de provar essa história? Se tivesse alguém que pudesse realizar essa façanha, na China, você realmente acha que ainda estaria vivo?

Então, enquanto a gente não prova nossa conspiração, tenho uma ideia: fique em casa!

Quanto tempo a gente vai conseguir segurar essa panela de pressão? Não sei, difícil dizer, acho que ninguém sabe com certeza. Economicamente, politicamente… não seremos os mesmos. Não é que o mundo vá mudar, já mudou, só não sabemos o tamanho da encrenca!

De uma maneira ou de outra, a vida seguirá. E meu ponto é, eu quero seguir com ela. Por isso, o que eu puder fazer, enquanto eu puder fazer, farei.

Hoje, só me resta uma opção, ficar em casa.

E reclamar…

“Quando os nazis vieram buscar os comunistas, eu fiquei em silêncio; eu não era comunista. Quando eles prenderam os sociais-democratas, eu fiquei em silêncio; eu não era um social-democrata. Quando eles vieram buscar os sindicalistas, eu não disse nada; eu não era um sindicalista. Quando eles buscaram os judeus, eu fiquei em silêncio; eu não era um judeu. Quando eles me vieram buscar, já não havia ninguém que pudesse protestar.” Martin Niemoller