Dias intensos em Portugal!

Após um par de semanas, assinada a escritura por procuração, conseguimos finalmente viajar da Inglaterra para Portugal e tomar posse da Quinta. Os trabalhos necessários se acumulavam, assim como nossa ansiedade em resolvê-los.

Embarcamos no dia 12 de junho, com data de retorno para o dia 18, ou seja, tínhamos aproximadamente uma semana para deixar as coisas encaminhadas.

Gosto de acabar com o suspense logo de cara e aviso que deu tudo certo! Assim você pode agora tomar fôlego, porque a história é longa e repleta de detalhes e coincidências incríveis, aliás, como sempre, né?

Muito bem, minha principal preocupação era o cuidado com as vinhas. É uma coisa muito engraçada, mas incorporei completamente esse sentimento pela terra. Estava aflita com a saúde das vinhas, como um ser vivo mesmo! Como se elas estivessem sofrendo, sentindo dor, mal alimentadas… Tínhamos um enorme problema, porque ainda não sabemos direito como cuidá-las e fisicamente exige muito, além de também não termos maquinário. Eu já tinha virado a internet de cabeça para baixo procurando algum website ou contato de quem pudesse fazer o serviço… e nada! É Portugal profunda e rural, lembra? Muito difícil você encontrar qualquer coisa virtualmente.

Daí, literalmente na semana anterior à viagem, estava eu assistindo tutoriais no Youtube sobre a “despampa”, um dos trabalhos importantes a serem realizados (depois eu explico). Gosto muito dos tutoriais do Oscar Quevedo, não costumo dar nomes no blog, mas nesse caso, entendo que é público e espero que sirva de divulgação. Até porque os vídeos são bem didádicos e práticos. Enfim, no final do vídeo ele costuma generosamente dar o próprio email como contato em caso de dúvidas. Então, meio sem graça, escrevi para ele com minhas perguntas, não sabia se ele me responderia ou não, até porque era um vídeo de 2011, nem sabia se o email era o mesmo! Mas não é que ele respondeu! Foi super gentil e me passou uma informação preciosa: o contato de uma pessoa que realizava todos os serviços agrícolas para as vinhas! Eu queria soltar rojões de felicidade! Luiz ligou para o tal responsável pelos serviços agrícolas e marcou logo para segunda-feira, 14/06. Temos certeza que ele só nos atendeu por ter sido uma indicação do Oscar, afinal estava repleto de trabalho! E assim resolveríamos nossa principal preocupação, mas estou passando o carro na frente dos bois.

Viajamos no dia 12/06, sábado, às 6h40 da matina! O que quer dizer que nem dormi na sexta-feira, fui emendada! Por volta de 9h30, nossos primos nos buscaram em Porto e nos levaram para Braga, onde ficamos hospedados com eles. Só baixamos as malas e partimos em direção à Quinta.

Primeira boa notícia, as vinhas pareciam saudáveis e estavam definitivamente vivas! Entretanto, o mato entre suas fileiras batia pela nossa cintura! Passar de carro para entrar na propriedade foi uma aventura, por sorte, é um carro feito para isso! Mas quer saber, a gente estava tão feliz em pisar pela primeira vez como proprietários que o difícil era tirar o sorriso do rosto. Acho que as pessoas normais deveriam estar assustadas, mas a gente nunca foi muito normal!

Bom, como contei no texto passado, um amigo da Espanha se ofereceu a morar alguns meses por lá. Ele chegaria na segunda-feira à tarde e a gente queria que ele já visse a casa com alguma esperança de ficar, né? Porque a coisa estava brava! Tudo bem que ele estava no espírito de aventura, disposto até a acampar e tal… mas a gente também queria ficar tranquilo e deixar o mínimo de condições para ele olhar a vista e “esquecer” do resto!

Porém, a gente tinha e tem um limite do quanto arrumar, porque pretendemos fazer obra na casa inteira. Então, também não dava para investir muito agora e jogar esse dinheiro no lixo. A casa tem banheiro e cozinha funcionais, só estava com muita umidade, por não ter isolamento térmico. Por ser uma casa muito antiga, as pessoas foram morando sem dar tanta atenção a isso. E, para se ter uma ideia das condições deixadas, o ex-proprietário levou até as tomadas! Só tinham os fios pendurados!

Levei da Inglaterra um produto super forte para tirar mofo preto e coloquei logo no teto do banheiro para ir amolecendo aquela crosta onde só faltava sair vegetação! Curiosamente, o resto do banheiro não estava em más condições, a louça tinha cara de limpa, só o teto que estava um horror! Bom, deixamos os produtos de limpeza na Quinta e fomos para Mesão Frio, a cidade mais próxima, que fica a menos de 10 minutos de lá.

Na saída, Luiz teve a curiosidade de checar a caixa de correio e havia uma correspondência da companhia de eletricidade.

Era sábado e não tínhamos expectativa de resolver muita coisa, mas queríamos ao menos saber onde funcionavam as instituições, para tentar ir logo pela segunda-feira de manhã. Coisas do tipo, onde trocar a conta de luz, onde era o correio…

Nós também precisávamos comprar o básico de eletrodomésticos, uma geladeira pequena, um fogãozinho a gás… vimos alguns anúncios de aparelhos usados que ligaríamos no início da semana. Nenhum entregava em casa e estávamos ainda sem saber bem como fazer isso.

Passando a pé pelo centrinho de Mesão Frio, tentando identificar onde ir, vi uma loja com uns bujões de gás na frente, a Tien21. A porta estava fechada, mas fiquei curiosa para ver se tinha algum telefone e sobre o que vendia na loja. Quando nos aproximamos, vimos que era eletrodomésticos e pensamos, que bom, podemos ver os preços aqui depois. Nisso, o gerente da loja aparece na minha frente, levei até um susto! Era sábado à tarde, mas a loja estava aberta!

Resumindo, nessa loja que paramos por mero acaso, se vendia os eletrodomésticos novos a um preço bastante razoável e entregavam em casa… entregavam os bujões de gás em casa também… fizeram a alteração da conta de energia para nosso nome… ajudaram a contratar o pacote de internet e televisão… e ainda nos indicaram um encanador (se diz “picheleiro” ou “canalizador” nessa região). O cidadão fazia absolutamente tudo, foi nosso oráculo! Deixamos encaminhado, para receber na segunda-feira.

Voltamos para Braga e nossos primos prepararam um churrasco com amigos. Estava tonta de sono, acordada desde sexta-feira, mas achei ótimo! Depois, sabíamos que a semana seria bastante dura e não teríamos outro momento para socializar dessa forma. Então, foi com sono mesmo e adorando! Tomamos vinho da nossa própria Quinta, que trouxemos nesse mesmo dia, e isso é um prazer difícil de descrever!

Engraçado e bonitinho ver o Luiz oferecendo o vinho para ser degustado, todo orgulhoso! E isso porque nem foi a gente que fez ainda!

Domingo, acordamos cedo e fomos direto comprar material de limpeza e tinta para pintar o teto do banheiro e da cozinha da casa. Tudo que confirmamos no dia anterior que necessitava ser feito. Na sequência fomos com meus primos e um outro casal para mostrar a Quinta e almoçar em Mesão Frio. Pegamos mais alguns garrafões de vinho, coloquei mais produto anti-mofo no teto e voltamos para Braga.

Na segunda-feira, bem cedo acordamos e fomos direto para a Quinta novamente, aí sim começamos a brincadeira a sério!

Lembra que contei sobre uma pessoa indicada que prestava os serviços agrícolas? Então, às 9h estávamos com ele passeando entre as vinhas e contratando o serviço. Infelizmente, ele estava muito cheio de trabalho para fazer na mesma semana e agendamos dele retornar. Em princípio, os trabalhos estão atrasados, mas ainda há tempo de recuperar. E o principal, as vinhas parecem saudáveis!

Assim que ele saiu, fui encontrar o vizinho da frente, que só vai de vez em quando até o local e, por sorte, estava lá! É o seguinte, nosso terreno tem fonte própria de água, o dele não. Mas ele é autorizado a pegar água no nosso terreno uma vez por semana. Nos apresentamos, trocamos gentilezas e aproveitamos para ele nos mostrar como funcionava nossa fonte (ele sabia melhor que a gente, claro!). Óbvio que atravessamos a selva amazônica para chegar até a fonte, porque o mato estava na nossa cintura, mas tudo bem… o importante é que a água estava lá, corrente, fresquinha e pura! Menos outro pepino!

Nosso amigo que vai morar na Quinta enviava mensagens pelo caminho, vinha com outra amiga e chegariam pelas 15h.

Descemos novamente para Mesão Frio, para acertar a compra dos eletrodomésticos, marcar deles entregarem e tal. Aproveitamos para dar uma paradinha e almoçar.

Chegamos em um restaurante vazio, achamos até que estava fechado, mas era só cedo. Aliás, vou abrir parênteses aqui, a comida na região é ótima! Caseira, bem feita e barata! Comemos bem todos os dias! Até porque Bianquita só trabalha bem abastecida! Paguei com minha língua cheia de frescura em dizer que não tem milagre de vinho bom baratinho! Há vinhos ótimos por preços ridículos! Não estou falando de sofisticação ou elegância, mas super corretos!

Voltando ao almoço, estamos nós dois, chegam mais três homens, mais ou menos da nossa idade ou pouco mais velhos. Puxa papo daqui, puxa papo dali… um é político e trabalha na câmara… o outro vai assar um javali lá na nossa Quinta… Luiz já combinou de jogar Sueca com eles… enfim, nos sentimos super locais! Por mim, ficava ali tomando vinho e batendo papo a tarde toda, mas tínhamos muito o que fazer!

Nisso, nosso amigo avisou que chegou mas não encontrava o lugar em que ficaria hospedado. Fica aí que a gente te acha e já descobriremos! Fomos com ele primeiro descarregar o carro na nossa Quinta. Ele aproveitou que vinha de carro para trazer a mudança de uma vez. Ainda precisaria voltar à Espanha, mas assim já facilitava. Veio junto com uma amiga que era uma máquina de limpar e arrumar as coisas! Sério, em meia hora a casa cheirava diferente!

Fomos meio que nos dividindo nas tarefas… chegou geladeira… chegou fogão… Faltava que o chuveiro da casa funcionasse para o banho. Toca a tentar descobrir como fazer! Tinha que vir o encanador, mas esse ficou para o dia seguinte.

Vou contar uma coisa, estava um calor de cornos, a gente suava em bicas, tinha trabalho pacas… mas uma boa onda e um astral ótimos! Era pesado e era leve ao mesmo tempo.

Voltamos para Braga e eles ficaram para dormir em Mesão Frio, em uma Quinta encontrada pela internet. Muito bonitinha por sinal e, porque o mundo é cheio de coincidências, o dono do local é o responsável pela aprovação das obras na região. Brinquei com meu amigo: faz amizade aí!

Dia seguinte, logo cedo, a mesma rotina! Toca para a Quinta! Parece simples, mas era uma hora e meia para ir e outra hora e meia para voltar.. em um carro sem ar condicionado! É um 4×4 perfeito para ficar por lá, um pé-de-boi, não é um carro de estrada. Cumpriu muito bem o papel, mas era cansativo.

Eles chegaram na casa primeiro e seguiram limpando. Assim que, quando chegamos, tinha outra cara! Não digo que ficou nova, porque nova não é. Segue uma casa simples, mas sinceramente, eu dormiria lá sem nenhum nojinho ou frescura. Deu para perceber que há muito potencial! Depois de reformar, modéstia às favas, vai ficar um escândalo!

E a vista é um espetáculo!

Aproveitei para alojar uma pequena imagem de Ganesha, que levei para abrir nossos caminhos ou nos colocar os obstáculos corretos. Ficou sobre a geladeira, de frente para a porta, pronto para deixar que apenas as boas energias entrem.

Para dar um pouco de suspense, Luiz acompanhava as previsões do tempo e chegava uma tempestade daquelas! Ele preocupado para voltar logo para Braga e eu batendo o pé porque só queria sair de lá com tudo resolvido. Nosso amigo iria embora na quarta-feira cedo, então não tínhamos mais outro dia para resolver as coisas com ele ainda em Portugal.

Bom, com o céu meio cinza, mas antes da tempestade, chegou o encanador, ou melhor, o picheleiro! Lembrando que foi indicação do gerente da loja de eletrodomésticos que resolveu tudo para a gente, né? A questão era a seguinte, a água chega da fonte diretamente no andar de baixo da casa por gravidade. Daí vai para uma caixa d’água e para essa água subir ao banheiro é utilizada uma bomba que estava lá. E também havia um aquecedor elétrico. Resumidamente é mais ou menos isso. Entretanto,o proprietário levou conexões, canos, enfim… coisas que a gente nem sabe para que vai servir para ele! Muito bem, olha daqui, olha dali, enquanto consertava as coisas para fazer o chuveiro e o banheiro funcionarem, o encanador comenta com o Luiz que conhecia o antigo proprietário. Não o que vendeu a Quinta para a gente, mas o pai dele. Contou que se chamava Sr. Angelo e que vendia suas galinhas na feira etc e tal. Achamos a história curiosa e, por conta disso, guardamos o nome do proprietário original, que construiu a casa.

Desci para a plantação e cantei meus mantra baixinho. Não havia tido tempo de cantá-los com calma com toda essa correria. Da última vez que visitei a propriedade a poda havia acabado de ser feita, as vinhas estavam fraquinhas ainda. Há meses canto concentrada tentando visualizar nossa plantação farta, nossas vinhas produtivas, a vegetação forte e tudo dando certo. Estar ali e ver pessoalmente essa projeção realizada foi muito gratificante.

O encanador terminou o trabalho com o céu ameaçador e raios para todo lado! Bateu os cinco minutos no Luiz e, assim que conferimos que tudo funcionava, saímos batido da casa, a toque de caixa!

O temporal nos pegou no início da estrada, mas conseguimos voltar a Braga sem problemas. Mais tarde, descobrimos que faltou luz em Mesão Frio, que em regiões próximas, para o lado de Peso da Régua, a coisa foi tão feia que danificou muitas plantações. O prejuízo foi estimado em mais de dois milhões de euros. Fiquei com pena.

Quarta-feira, aproveitamos a manhã para resolver questões burocráticas no banco e outros pequenos pepinos. Conseguimos adiantar tudo e seguimos para a Quinta pela última vez na viagem, felizmente, estava tudo em perfeita ordem. Nossas vinhas não foram afetadas com a tempestade.

Na saída, fomos também até a cooperativa em Mesão Frio, afim de entender o que precisaríamos fazer para nos associar e se era possível vender nossas uvas por lá. Daí descobrimos (porque é assim, a gente “descobre” as coisas!) que havia uma parte burocrática a ser cumprida. Nós precisávamos ir até Peso da Régua e registrar o terreno no nosso nome no IVDP (Instituto dos Vinhos do Douro e do Porto). Depois do IVDP, precisaríamos atualizar o RCV (Registo Central Viticula) no Centro de Estudos Vitivinicolas. Só então, voltar à cooperativa e aplicar para nos associar. Eles fazem uma reunião, geralmente em agosto, e aprovam, ou não, a nossa associação.

PS: não escrevi “registo” errado, não existe a palavra “registro” em português de Portugal. É um inferno para eu falar assim, mas paciência, vou me acostumar!

Caraca! Mais uma burocracia para nossa coleção! Luiz tentou ligar para o tal IVDP e marcar hora, porque em princípio só atendem com hora marcada, mas ninguém atendia. Quer saber, a gente está perto de Peso da Régua, vamos logo pessoalmente e pelo menos vemos que documentos a gente precisa ter. Eu estava carregando uma mochila de papéis comigo, para ter tudo que me pedissem. Quem sabe até consegueríamos resolver isso também?

Chegamos na porta do IVDP às 16h31, lemos o aviso que fechava às 16h30! Nisso o guarda-segurança apareceu para trancar a porta e fechar o recinto. Ele nos informou que precisávamos ligar para marcar hora… Luiz disse, mas eu liguei… ele perguntou o número para confirmar… Luiz mostrou a ligação não atendida no celular… ele se sentiu mal porque era ele que atendia, mas tem outras funções e não atendeu… em tese ele era responsável por perdermos a viagem… perguntamos se poderia nos informar pelo menos quais os documentos levar para uma outra ocasião… ele deixou a gente entrar, trancou a porta e disse que ia checar com a chefe responsável que documentos seriam esses. Agradecemos a gentileza e esperamos ele voltar com as tais informações.

Para a nossa surpresa, a tal funcionária-chefe que ainda estava lá, teve a maior boa vontade e resolveu nos atender fora do horário e sem hora marcada!

Não sei nem como começar a contar essa conversa, porque eu tinha todos os documentos teoricamente corretos… mas nada que ela precisava! A primeira pergunta era em nome de quem estava registrado o terreno. Eu achava que era em nome do proprietário anterior, inclusive mostrei a escritura, só que não. Daí lembrei o seguinte, ele herdou o terreno do pai, pode ser que não tenha feito a alteração do nome. E como chama o pai dele? Veja bem, essa informação não constava na escritura, porém lembra do encanador que no dia anterior contou que conheceu o Sr. Angelo? Então, repeti igual a papagaio, acho que chama Angelo e com o sobrenome do proprietário da escritura, filho dele… chegamos na informação!

Veja bem, a gente só sabia o nome do proprietário original porque o encanador, que foi indicado pelo dono da loja de eletrodomésticos, que achei por acaso olhando uma vitrine, nos tinha contado em conversa no dia anterior!

Mas não ficou só aí, ela me pergunta, você tem a foto aérea do terreno? Sabe como chama a Quinta? Putz… nem ideia! Mas se você for no mapa a gente localiza. Não tem o endereço registrado, mas já vi tantas vezes a Quinta no google, que conheço os quadradinhos de onde ela fica, juro! Apontei no computador: é essa! Ela marcou a foto, imprimiu para mim. Guarda que você vai precisar apresentar isso!

E os certificados-de-não-sei-o-que-das-quantas?

Não sei, mas se você me mostrar um eu tento localizar. Ela me mostrou e tínhamos! Só que estava no meu computador, não tinha impresso. Posso te enviar por email? Ela me deu o email dela e puxei o laptop da mochila! Luiz fez sua mágica e apareceu uma conexão de internet para mim!

Para quem leu as crônicas anteriores, nossa propriedade é formada por 11 artigos diferentes, sendo 9 rurais e 2 urbanos. Assim que nós temos 11 certificados, não tinha ideia de qual ela precisava! Ela abriu os 11, confirmou e separou os 3 que eu precisava. Pronto! Agora você faz o seguinte, junta essa foto aérea, esses certificados, vai no Registo da Conservatória de Mesão Frio e busca o histórico da propriedade desde o Sr. Angelo Fulano de Tal. Com esse papel você volta aqui e fazemos o registro da propriedade no seu nome.

Ufa! Não resolveu, mas vamos combinar, o caminho está todo definido!

E veja bem, se nós tivéssemos conseguido telefonar, não teria hora para nos atender. Se chegássemos no horário normal de funcionamento, não teríamos sido atendidos porque eles estariam ocupados com outra pessoa marcada. Se chegássemos mais tarde um minuto, não teríamos encontrado com o guarda fechando a porta! Ou seja, posso reclamar de alguma coisa? Ainda por cima, todo mundo super gentil! Só posso agradecer!

Ela ainda me deu uma outra informação importante, eu preciso me registrar como agricultora. Por que essa informação era importante?

Calma, a história ainda não acabou, ainda precisava conversar com um contador (em Portugal se diz, contabilista). Perguntei para meu primo se ele tinha algum contato. Ele me indicou uma pessoa, guardei o celular para ligar e marcar um horário.

Mas antes, tínhamos que fazer o maldito PCR para viajar de volta à Inglaterra. Com toda a correria, esquecemos de agendar, Luiz agendou meio em cima da hora e, ao invés de ser perto da casa dos meus primos, foi mais para o centro da cidade. Tudo bem, nem era tão longe assim, chegamos um pouco antes da hora marcada e foi bem rápido.

Do próprio estacionamento, liguei para o contador para tentar agendar um horário. Pode ser agora? Podia e estávamos super perto do escritório dele, no centro da cidade.

O caso é o seguinte, nossa residência fiscal hoje é na Inglaterra. O que estamos pensando em fazer é manter a residência fiscal do Luiz onde está e a minha, transferir para Portugal. Até porque, a ideia é vender o que produzirmos em algum momento, preciso me registrar, pagar os impostos, tudo direitinho. Além do mais, descobrimos que para comprar alguns produtos agrícolas para a manutenção da plantação, preciso ser registrada como agricultora. Não é qualquer um que chega na loja e compra um agro-tóxico ou determinado tipo de adubo, por exemplo. Isso é tudo controlado, o que concordo.

Vou explicar melhor essa parte contábil em algum próximo texto, porque é bastante técnico, entretanto, podem ser informações úteis a quem queira seguir esse caminho. Mas há uma parte referente às coincidências que vale contar agora mesmo.

Nós precisavamos alterar nosso endereço no documento português, o NIF, e para isso era necessário uma tal “Senha nas Finanças”, depois explico melhor. O problema é que tinha que marcar hora, para marcar hora você precisava da senha! Para pedir essa senha, você precisava dar o endereço que consta no seu NIF (tipo um CPF português) e eles enviam por correio. Claro que, com tantas mudanças, o endereço que constava no nosso NIF era outro. E para mudar esse endereço, você precisava ter a senha! Ou seja, cachorro correndo atrás do próprio rabo! Conseguir isso sozinhos era uma tarefa praticamente impossível!

Daí, falamos dessa questão com o contador e, lógico, que ele tinha solução! Uma possibilidade era passar uma procuração específica para uma advogada conhecida dele, mas era algo mais caro e complicado. A outra era ir diretamente no escritório das Finanças… espera um minuto, deixa eu ver se consigo marcar por aqui! A esposa, que trabalha com ele, era amiga de alguém que atendia nas Finanças e conseguiu marcar para o mesmo dia: vocês podem tal horário? Claro que podemos! Nascemos prontos!

Pontualmente, estávamos na porta no horário combinado: queremos falar com a fulana e fomos indicados pela beltrana! E só entramos por causa dessa indicação! Explica novamente a história confusa de pedir senha sem endereço e blá, blá, blá… puxo a escritura, mostro que a Quinta estava comprada… tá bom, vou dar uma senha, mas precisa de um celular português… demos o celular da minha prima… e precisa mudar essa senha hoje mesmo, sem falta! Perfeitamente, faremos isso nesse minuto! Voltamos ao contador e entregamos tudo! Tá contigo!

Na quinta-feira, não voltamos a Mesão Frio, estava praticamente tudo resolvido. Luiz ainda tinha que trabalhar pela manhã, aproveitei para ir à cabeleireira brasileira. Era interessante o contraste de passar a semana dando duro na propriedade e, de repente, parar para receber um mimo de fazer os meus pés! Mas bem que aproveitei o descanso!

Conseguimos também almoçar com calma com meus primos, afinal, mal tivemos tempo de dar algo de atenção a eles. Finalmente, provamos a “Francesinha”, prato típico da região. É um super sanduíche com tudo dentro, carne, presunto, linguiça… coberto com um molho à base de cerveja e manteiga e um ovo frito por cima! Um esculacho calórico, mas a gente merecia, vai?

Durante à tarde, aproveitamos para visitar o IKEA e o Leroy Merlin, para ter algumas referências de opções, materiais, preços etc para a reforma da casa. Basicamente, a gente descansava carregando pedra!

Jantamos no Alma d’Eça, um dos nossos restaurantes favorito em Braga. É um misto de comida japonesa e mediterrânea que foge do padrão geral e gostamos de variar. Vinho para relaxar com a sensação de missão cumprida!

Na sexta-feira, ainda conseguimos almoçar com os primos e amigos. Do restaurante, os primos já nos levaram direto ao aeroporto, que fica em Porto, cerca de 40 minutos de Braga.

Foi apenas uma semana, mas a sensação era de ter passado um mês inteiro! Gosto de voltar para casa, estava com saudades dos meus gatos. Mas admito que o “bichinho” já me mordeu e minha cabeça está morando na Quinta. A preocupação de viver em uma cidade pequena desapareceu e as pouquíssimas dúvidas se iríamos nos entrosar se diluiu nos primeiros dias.

E o mais bizarro para mim, o amor instantâneo pela terra, pelas vinhas, pela vista do Douro que irá emoldurar minhas manhãs… finalmente, tenho um lugar para chamar de minha casa.

6 comentários em “Dias intensos em Portugal!”

  1. Aí Bianca estou acompanhando que nem novela, conheço o lugar, não sua propriedade, mas como vivia cerca de Vigo,sempre ia comer em Portugal. Olha El Corte Inglés tem o meyor outlet en Porriño do lado Espanhol, 3u sempre que vou rezo antes e encontro tudo que quero,vc ali encontra muitas coisas pra casa de muito bom preço. Todo português conhece, sorte que Ganesha esteja de sua parte.

  2. Obrigada, Antonia! Em breve, quem sabe você vá conhecer nossa Quinta também! 😊 Beijo

  3. Pois pode ter certeza que vou mesmo, e se esse seu amigo quizer passar uns meses na minha casa tenho duas gatas e de outubro a janeiro estou na Alemanha estaria encantada.beijos Bianca

  4. Opa! Vou falar com ele, de repente… entre outubro e janeiro a casa deve estar em obras… Beijão

Seja bem vindo a comentar! Sua resposta pode demorar um pouco a ser publicada.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s