E a comemoração?

Pois é, o planeta inteiro sabe que amo uma festa! Eu faço festa até para inauguração de cafeteira! Se o pretexto for bom então, aí é que não me aguento mesmo.

 

Mas sempre costuma ser decidido de última hora. Quer dizer, a gente sabe que vai rolar, mas nunca tem certeza de onde e como.

 

Esse aniversário de casamento fiquei bem na dúvida. Primeiro, pensei em fazer em algum bar, normalmente, é o que Luiz prefere. Mas onde? Fechar um bar não é simples, nem costuma ser barato. Descartei logo.

 

Depois fiquei com vontade de fazer um jantar pequeno, para meia dúzia de casais e um esquema banquete de Babete. O problema é reduzir a lista de amigos para meia dúzia de casais… fica praticamente impossível. Além do mais, não estou bebendo e uma orgia gastronômica sem vinho é quase um pecado.

 

Então, tá, faço uma festa mais informal em casa e assim posso convidar mais gente. Daí lá vou eu para o dilema de todas as festas, a única parte que detesto, escolher os amigos que cabem no apartamento! Toda vez é o mesmo drama, o mesmo cobertor curto… pero es lo que hay! Encurtando a lista ao máximo, e porque era feriado e muita gente viajou, chegamos a um número de quarenta pessoas.

 

Não é pouca gente, mas consigo me administrar sem grandes problemas. Resolvi fazer na hora do almoço para não ficar tarde e não torturar os vizinhos. Eles nunca reclamam, a gente não tem certeza se não se incomodam ou se tem medo da gente. Não me reprimo, mas procuro não abusar da paciência de ninguém. Fazer durante o dia também é bom porque temos muitos amigos músicos e para eles é mais difícil vir à noite, costumam trabalhar.

 

Enfim, fiz um bobó de camarão e mais umas coisinhas de aperitivos. Na medida do possível pelo número de pessoas, ficou muito bom, modéstia às favas! A bebida, pedimos  aos convidados que trouxessem.

 

Uma pena que Luiz estava gripado e aproveitou pouco. Sabe como é homem com qualquer coisa relacionada à saúde, né? Tudo é um drama épico! Alguém conhece um homem que diga simplesmente, estou resfriado ou com tosse? Nada! Eles dizem: estou doeeeeente! Tenho certeza que se homem menstruasse, todos os meses lotariam os hospitais solicitando coma induzido para aliviar o sofrimento extremo! Mas enfim, também é verdade que Luiz não me perturbou nem ficou me pedindo nada, o que é um grande passo masculino!

 

Mas não bebeu e ficou mais quieto que o normal. Bom, eu aproveitei bastante. Batuquei, cantei, dancei… tudo de direito! Mas sim que também estava um pouco mais quieta que de costume.

 

Quer dizer, nós estávamos mais tranquilos, mas a galera estava a mil! Mulherada atacada, coisa que já previa quando comecei a cozinhar. Tenho esse dom culinário e adoro direcionar a energia que vai rolar no ambiente de acordo com a comida, me sinto meio bruxa e poderosa.

 

O que rolou ou deixou de rolar, fica no nosso eterno pacto de silêncio. O que acontece nas festas, fica nas festas! Até porque boa parte a gente esquece mesmo e seguimos literalmente o lema: se não lembro, eu não fiz!

 

Também rolou música ao vivo e uma batucada animadíssima! Como disse, a gente tem alguns amigos músicos e outros que não são profissionais, mas curtem a brincadeira. Às vezes, fico um pouco sem graça, porque não quero abusar de quem faz isso por profissão. Se queremos um concerto, a gente contrata. Fora isso, os convidados músicos tocam se querem, quando querem e o que querem. Mas felizmente, isso acontece com frequência e adoro, me sinto privilegiada de ter gente tão talentosa na minha sala!

 

E fico no céu quando sei que os amigos estão se divertindo e se sentindo queridos!

 

Bom, o almoço rolou até umas 23h mais ou menos. E lógico que houve o enterro dos ossos no jantar mesmo! A diretoria já sabe que vai acontecer a segunda rodada e espera. Como Luiz estava mais ou menos, a festa durou só nove horas!

 

Mas quem pensa que acabou por aí, se engana! Não disse que a mulherada estava atacada? Daqui ainda saíram para seguir a noite e acompanhar o show de um amigo que cantou a tarde inteira aqui em casa e ainda tinha fôlego para mais! Haja resistência!

 

É verdade que em condições normais de temperatura e pressão, também teria seguido a noite fácil! Mas já estava satisfeita por ali e segurei minha onda.

 

Afinal de contas, fizemos 18 anos, certo? Já somos um casal adulto e responsável! Ou quase…

Uma consideração sobre “E a comemoração?”

  1. Só vc para retratar os acontecimentos dessa forma Bi…
    Tim por Tim, só tirando o que passou na festa, fica na festa…rsrsrs

    Eu lembrei o que olhei para Luiz na festa da Su e nao lembrava, ele jogou pela janela um casaco marrom ou cinza escuro, nao sei direito que cor é, só sei que pelo tamanho deve ser de alguma criança de 10, 12 anos…
    Entao esta avisado se alguma mae que estava na festa sentir falta de um casaco da Decatllon, aviso que esta na minha casa… Contatos atraves do Luiz e da Bi… o casal 20, 10!!!!!

    Obrigada pelo convite, o bobo como tudo e sempre perfeito… a festa foi otima e divertida… e o pagode depois também… que voz tem o seu amigo!!!
    Beijos queridos!!!!

Seja bem vindo a comentar! Sua resposta pode demorar um pouco a ser publicada.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s