A fábula da princesa no reino da burrocracia

Era uma vez, no reino encantado da burrocracia, uma princesa estrangeira que vivia encastelada. Sua vida não era exatamente ruim, diga-se de passagem, tinha conforto, segurança e sempre encontrava alguma maneira de se divertir.

Uma parte considerável dos amigos da corte do seu país de origem, acreditava que ela recebia uma série de privilégios reais, que nunca passaram de lenda da carochinha. Afinal de contas e de contos, em terra de cego, quem tem um olho é angustiado. Está condenado a nunca conseguir compartilhar uma experiência por inteiro. Ou de sequer quererem ouvir suas experiências, porque nada diferente poderá ser melhor.

Pelas noites, às vezes ela se fantasiava de plebéia e ia se misturar pelas tabernas da cidade, onde apesar do odor acre e esfumaçado, era onde podia relaxar e ser quem era de verdade. Descobriu que nem era a única princesa, havia várias. Além do mais, entre princesas e plebéias, estrangeiros e nativos nem existia tanta diferença assim. Por algum motivo misterioso, quando o sol se punha, todos se pareciam muito. Talvez fossem as harpas mágicas dos druídas musicais, mas essa já seria outra fábula.

De tempos em tempos, por ser estrangeira, a princesa era enviada ao Castelo de Kafka para atualizar sua documentação. Apesar da frequência com que o fazia, nunca conseguia entender o caminho, porque a cada vez o trajeto era alterado pelo gosto dos bruxos burrocráticos, que precisavam garantir suas importantes funções no reino.

Em determinada renovação de documento, a princesa foi acompanhada pela maga advogada, que também não conhecia todos os caminhos secretos, mas possuía uma lanterninha com poderes de identificar alguns atalhos.

Ao se encontrarem, a princesa reclamou que já morava no reino da burrocracia há mais de cinco anos e, portanto, era seu direito receber um visto de trabalho. A maga lhe mostrou uma circular dizendo que sim, ela tinha esse direito e perguntou se ela queria uma cópia desse papel.

A princesa teve vontade de sugerir um local para que o tal papel fosse introduzido, mas era muito educada e a maga muito simpática. Se restringiu a dizer que uma circular não tem efeito nenhum enquanto em seu documento estivesse escrito que não a autorizava trabalhar.

A maga concordou que era absurdo e que o reino provavelmente fizesse de propósito, pois era uma maneira de fazer que os estrangeiros ficassem como cachorros,  correndo atrás dos próprios rabos.

Perfeito maga, e o que fazemos então? Porque isso é inaceitável!

A maga se lembrou que tinha um amigo bruxo, muito simpático e acessível (para ela), entrou por um atalho e foi com a princesa conversar com ele. Expôs a situação a ele, que concordou com o fato da princesa poder trabalhar, pelo tempo que levava no reino. Inclusive, citou a mesma circular que a maga havia comentado. A princesa repetiu que o papel não adiantava muito enquanto constasse em seu documento por escrito que ela não podia trabalhar.

O bruxo concordou, e admitiu que realmente muitos outros nobres estrangeiros encontravam esse problema. A princesa novamente teve pensamentos em linguagens inapropriadas à sua educação. A maga perguntou se, nesse caso, não era possível remover a maldita frase do documento, já que era um direito comprovado da princesa. Ele respondeu que sim, entrou no seu computador mágico e removeu a frase apertando um botão de deletar com seus dedos mágicos! Piscou para a maga, fez meia dúzia de brincadeiras e assim, em minutos, a situação foi resolvida.

A princesa ficou pasma! Por um lado, radiante por finalmente, após cinco anos de perrengue, resolver seu problema, ter um mínimo de dignidade cidadã restaurada. Por outro, revoltada em saber que tudo que vem enfrentando seguia regras tão rígidas que eram capazes de serem alteradas, manualmente, com um botão apertado por um bruxo, que na hierarquia dos bruxos, nem estava em um nível tão alto assim.

Como a princesa não era idiota, ela não poderia ser feliz para sempre, mas seria feliz. E sabendo que essa história se não for ilegal é imoral, era melhor que virasse uma fábula.

7 comentários em “A fábula da princesa no reino da burrocracia”

  1. Estou surpreendida, mas como sei que tudo é possível no reino desta fábula…

    Mas eu ficaria com a pulga atrás da orelha… Vai que outros 5 bruxos deveriam apertar mais 10 botoes para solucionar esse assunto… como costuma acontecer quando todo mundo vai ao Castelo de Kafka. Mas se depende de apenas um bruxo… fico contente pela princesa e bola pra frente.

    Mas tenho uma dúvida… A princesa já tem a nacionalidade do citado reino, de maneira que já deveria ter a frase deletada do documento, não? Ou ainda, a princesa está casada com um príncipe que agora é nacional do reino, de forma que também teria direito a ter deletada a frase, não??

  2. Pois é Phlox, a pulga nunca saiu de trás da orelha da princesa… porque como todo mundo, ela também sempre dependeu (ou achou que dependia) de um conselho de bruxos, demônios e druídas, além dos milhões de botões! Os processos de nacionalidade e de residência e trabalho são separados e correm em paralelo. A nacionalidade da princesa foi aprovada, mas… no reino da burrocracia, ainda levará brincando um ano para toda a documentação estar regularizada. E como um sistema não conversa com o outro, para o processo de vistos dá no mesmo. Mais absurdo do que isso é o próprio reino publicar uma circular com a autorização de trabalho para os reagrupados e “se esquecerem” de tirar a observação da documentação. Porque não sei se você sabe, mas o ministério do trabalho não tem poder sobre uma comisaría de estranjería (uma circular interna de qualquer dom das couves na estranjería vale mais que uma lei publicada pelo ministério do trabalho! Pasme!). Uma vez que a cidadania esteja implementada, aí sim a princesa poderá simplesmente ignorar o processo dos vistos e viver feliz para sempre! 🙂

  3. Oi Bianca

    Olha dei muuuuita risada com seu jeito de contar seu dilema para conseguir a porra da documentação para trabalhar, incrível e super original.

    Beijos

    Marianne

  4. Ola Bianca, bem que no reino encantado da burocracia pode passar de todo inclusive un permiso de trabajo.
    Bianca hoje te escrevo para uma noticia muito triste, me ha muerto Thor meu querido gato calejero, con 11 anos e meio, sem ter nada de um dia a outro, viajamos e dois dias depois chamou sua cuidadora para nos dar tao triste noticia, nao me recordo de ver meu marido tao triste, estamos adotando outra gata vamos ver como nos sai.
    Um beijo Bianca.

  5. Oi, Antonia! Sinto muito mesmo pelo Thor, a gente fica triste como quem perde alguém da família. Te digo o mesmo como se esse fosse o caso, seguramente ele teve uma vida feliz e bem cuidada com vocês e adotar outra gatinha é uma ótima idéia. Não substitui porque cada gato é único, mas é outra fonte de alegria e carinho. Estamos viajando agora (com nosso gato a tiracolo) e a internet é muito lenta, nos falamos melhor na volta. Que vocês fiquem bem e em paz. Besitos

Seja bem vindo a comentar! Sua resposta pode demorar um pouco a ser publicada.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s