Toca Afonso!

Olha só, eu tô velha, dane-se! Sei que tenho uma reputação festeira imparável a zelar, mas já não dou conta! Sério, mais um dia de festa e vou acabar a noite em um hospital!

Como venho contando, um casal de amigos vai embora de Madri, e desde a sexta-feira passada, começamos com uma sequência interminável de festas de despedida.

Pois então, na quarta e na quinta-feira, ainda segurei um pouco minha onda, sabendo que a agenda estava atribulada. Mas na sexta-feira, pensei, já estamos na reta final, portanto, ferrada, ferrada e meia, tudo bem!

Final da tarde, tivemos ensaio do coral e de lá já emendamos para o Pub onde seria o show do nosso amigo, o que vai embora. O lugar era bem legal, atendimento simpático, espaço para dançar, beleza. No dia seguinte, Luiz me contou que depois de determinada hora havia, digamos, mais serviços sendo prestados no local por mocinhas também simpáticas e coroas mais do que suspeitos. Honestamente, não notei, nem me preocupou. E nem adianta me perguntar quantas doses de whisky tomei, porque nem quis saber, foram várias.

Não vi o tempo passar e queria que tivesse demorado mais. É bom estar entre amigos, continuaremos amigos, mas os momentos não voltam e prefiro curtir os que tenho até a última gota. A vida é uma só e, infelizmente, o fígado também! Vou logo avisando que nem chorei, mas não tenho culpa da quantidade de fumo do local e os olhos às vezes lacrimejaram sozinhos.

Chegamos em casa quase de manhã e ainda tive a pachorra de fazer bife acebolado, na tentativa inútil de acordar melhor. Deveria ter feito isso no início da noite e amenizado as coisas para o lado do meu estômago. Não fiz e paguei o preço na manhã seguinte. A cabeça ia bem, obrigada, mas uma azia do cão! Botei o mundo para fora, inclusive o tal do bife. Paciência! Depois de uma semana seguida de festas, em algum momento haveria consequências.

Não, não me arrependi, mas foi um esforço herculano para ficar boa o mais rápido possível. Porque no sábado à noite era a despedida oficial, the ultimate! Me arrastei para fora da cama bem umas oito da noite e lá fomos, Luiz e eu, para o Kabocla.

Putz! Não estava passando nem um pouco bem, e acho que era porque também estava um pouco triste porque eles iam embora, sempre faz diferença em como seu corpo recebe o teor alcóolico, bom, comigo faz muita diferença.

Aviso que o mais próximo que tomei a whisky nessa noite foi guaraná com gelo! Pelo menos a cor parece, né? Enfim, o açucar foi fazendo seu papel, a atitude sempre ajuda e fui melhorando.

Levamos alguns instrumentos e já me posicionei na lateral da banda com meu tamborim. Isso, com algum custo, ainda aguentava e sei lá quando terei outra oportunidade. Não fui a única, um monte de gente se revezou em instrumentos que trocavam de mão de vez em quando. Para ser sincera, achei que toquei mal pacas nessa noite, mas a verdade é que estava todo mundo meio descompensado e sorumbático. Ou então, era eu que estava sorumbática e ouvindo meus próprios pensamentos.

Não quero passar a impressão errada, porque não foi triste, era só a consciência que mais um ciclo havia fechado. Ainda que o protagonismo da mudança se devesse ao casal, somos um grupo. El último camello de la fila camina a la misma velocidad que el primero. O que toca a um, toca a todos, só não sei quando será minha vez, mas sei que é feliz quem vai com saudade, quem fica também.

Pelas tantas, consegui ingerir uma única caipirinha, na tentativa de puxar o último fôlego, um sprint meia boca. Mas tudo bem, até que ainda deu para dar uma dançadinha de vez em quando.

Pela madrugada, quando acabou o show, eu que tinha passado mal o dia todo e consequentemente não aguentei comer, estava com uma fome alucinante! E aí, onde vamos? Uma amiga lembrou de um africano que vende salgadinhos à moda brasileira na frente de uma boite de prostitutas no centro da cidade. Isso dá samba, né? Mas sem problemas, os salgadinhos eram de muito melhor procedência que o interior da tal boite e lá fomos nós, em 6 amigos. Talvez isso no Brasil fosse perigoso, aqui não, a rua está sempre cheia e existe um considerável respeito entre as pessoas. Vou contar que me atraquei com um espetinho de frango e um risólis de carne moída divinos! Quentinhos! O mocinho ainda tinha refrigerante gelado, guardanapos, ketchup picante… serviço completo! Adorei a dica e fiquei freguesa! Qualquer dia voltaremos lá para provar o tal risólis de camarão, que segundo minhas amigas que conheciam o africano, é imperdível!

No domingo, acordei cansada, mas passando bem. Está pensando que acabou? Nada, ainda tinha a feijoada do Kabocla! Chegamos pelas duas da tarde e falei para o casal que vai embora: gente, não leva a mal não, mas não aguento mais me despedir de vocês! Almoçamos em quatro casais, todos com cara de zumbis! Disse para a outra imparável, por favor, vamos combinar de não fazer mais nada essa semana!

E assim, oficialmente estavam terminadas as despedidas.

Por costume, não falo o nome das pessoas normalmente, mas acho que, nesse caso, cabe bem. Artistas merecem divulgação e reconhecimento. Vai embora de Madri Afonso Rodrigues e a música brasileira do lado de cá do oceano perde bastante. Não é todo mundo que faz diferença no ambiente que convive, tenho a sorte e o privilégio de conhecer algumas pessoas assim, que deixam legados. Da minha parte, posso dizer que nos últimos anos, cantei bem mais alto do que de costume, dancei curtindo sozinha no meu planeta e acompanhada também, batuquei no canto ou me atrevi tocando mais forte quando já não tinha importância se estava no tom certo. Mas para isso tudo acontecer, alguém tinha que puxar e esse cidadão puxava, segundo Luiz, e o que concordo plenamente, ele faz o palco crescer, quem está em volta fica melhor. E ele é melhor ainda ao lado dela, amigona, mãe, profissional e tá bom, liga para a gente de madrugada e é meio mandona. Mas vamos combinar que o show é muito mais divertido quando a gente escuta aquela voz no fundo: toca Afonso!

5 comentários em “Toca Afonso!”

  1. Tocaaaaaaaaaaaaaa Afonnnnnnnnnnnnnnsooooooooooooo!!!!! E a capoeira tbem deixara saudades!!!

    Affee!!!

    beijos chica

  2. Ai Minha blanquita linda..

    Vim aqui te visitar e me atualizar e estou aqui em lágrimas.. Que lindo!!

    muitas saudades.. saudades mil!!!

    Vocês são mais do que especiais pra gente!!

    bjs

  3. Hoje vim por aqui de novo ler.. bateu uma saudade e olhos encheram de novo de lágrimas.

    Vou mostrar pra ele, pois acho que ele ainda nao viu..

    bjos

Seja bem vindo a comentar! Sua resposta pode demorar um pouco a ser publicada.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s