O mistério do fogão de indução e seu manual

Tem mais alguém que ame de paixão manuais de aparelhos elétricos ou eletrônicos? Porque, na boa, cada vez que vejo aquelas verdadeiras enciclopédias, em diversos idiomas, tenho vontade de voltar ao tempo das cavernas!

Até bem pouco tempo, não lia bosta de manual nenhum! Saía apertando o que parecia lógico e o que não funcionava, perguntava ao Luiz, que aliás, lia todos os manuais! Parecia até gostar, o que sempre me deixou desconfiada que podia ser algum distúrbio, sei lá…

O problema é que o mundo se tornou complexo! Qualquer merreca de espremedor de frutas tem 47 funções! Há telefones celulares com tantas possibilidades que me surpreende que ainda por cima se consiga falar através dele! A propósito, o carro do Luiz fala!

O que quero dizer com tudo isso é que eu, uma das últimas dinossauras resistentes, fui obrigada a me render aos manuais! Admito que melhoraram muito, principalmente a parte de ilustrações. Ainda assim, é um saco! Aliás, alguém poderia tentar fazer um manual como histórias em quadrinhos, seria bem mais divertido.

Pois é, daí estou no apartamento atual, aprendendo a utilizar os aparelhos novinhos em folha. O proprietário caprichou e chegou tudo de última tecnologia, até aí, maravilha! Tudo lindo! E, obviamente, tudo acompanhado dos respectivos manuais. Ui! 

A máquina de lavar louça ficou para o Luiz, só tive que dar um ou outro pitaco. Para mim, sobrou a lavadora e o fogão. Não adiantava pedir para ele, sou eu que uso e achei que ia tirar de letra. A lavadora foi mais simples, afinal, já havia quebrado a cabeça quando mudei para a Espanha e entendido que símbolo significava o que. Já o fogão…

Começa que nem o fogão nem o forno tem nenhum botão! Pelo menos, nenhum visível, é tudo camuflado ou embutido. O fogão é uma placa de indução, que a besta aqui só entendeu que era diferente de uma placa de cerâmica agora. Olhando para os dois é a mesma coisa, mas o funcionamento é totalmente distinto. Ah, tá… Taquiupariu, vou ter que ler o manual!

Pego o manual em 32 idiomas e nem tento me exibir, fui logo para o português mesmo! De abrir e achar as instruções na minha língua já me deu sono. Tudo bem, Bianca, atitude por favor! Comecei a ler com alguma boa vontade.

Primeiro, o fogão não liga se não tiver uma panela sobre a placa, no local dos bocais. Todo mundo entendeu que o bocal é um desenho, né? Ok, lá vou eu catar uma frigideira para fazer o teste. Coloco a frigideira, aperto que que tinha que apertar e nada! Tudo liga, mas fica piscando e apaga em seguida. Essa bosta veio com defeito, não é possível!

Passa Luiz, dá uma olhada no manual e diz qualquer coisa que a panela precisa ser de um material específico que o fogão de indução reconheça. Bom, li alguma coisa assim no manual, mas me pareceu um completo absurdo! Panela é panela! Achei que quando se dizia ser fundamental que a panela fosse específica para aquele fogão, se tratasse do seu melhor aproveitamento. Nunca imaginei que um fogão pudesse reconhecer uma… panela!

Não quis entrar na discussão, porque só gosto de comprar as brigas que tenho certeza, me restringi a aceitar meio contragosto e buscar outra panela maior. Dessa vez funcionou! Como se tratava de uma panela de pressão relativamente antiga, achei que não tinha nada a ver com tecnologia, simplesmente era mais pesada. Cheguei a colocar uma outra frigideira sobre a que não funcionava para ver se era o peso. E nada!

Cassilda! Onde foi parar o bom e velho fogão de fogo? Eu quero FOGO! Fo-go! Ele é feinho, chato de limpar, mas cozinha que é uma beleza!

Muito bem, pelo menos com alguma panela consegui que o fogão funcionasse, logo concluí que não tinha nenhum defeito, a defeituosa era eu! Resolvi entender o forno. Depois da surra do fogão, o forno foi mais dedutivo. Para algo serve a curva de aprendizagem!

Bom, tínhamos que comprar alguma coisa na loja de ferragens, que aqui se chama ferretería, e Luiz sugeriu que tentássemos também comprar outra panela apropriada. Entre nós, achei uma bobagem, mas para não parecer implicante, concordei. De qualquer maneira, já precisava mesmo de outra frigideira. Chegamos na loja e a primeira coisa que o vendedor nos disse é que se o fogão era de indução, só funcionaria com as panelas apropriadas! Lógico!

Solucionado o mistério do fogão, poderia ter ficado quieta, mas preferi não perder a piada e contei para Luiz o que se passou pela minha cabeça quando ele veio com aquele negócio que o problema era da panela. Para que? Ele ficou todo satisfeito porque finalmente tinha razão e agora quer contar essa história para absolutamente todo mundo, claro que adicionando alguns detalhes por sua conta, para dar um pouco mais de graça, digamos assim.

No mais, tudo bem, ainda não temos pia, mas acredito que até o fim da semana se resolva. Enquanto isso, a gente faz o sacrifício de conhecer um restaurante novo a cada dia. É um sofrimento, mas alguém tem que passar, né?

19 comentários em “O mistério do fogão de indução e seu manual”

  1. KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK!!!!!!!!
    Adorei…..quando vc me contou eu tava torcendo pra virar texto do blog…….

    Beijâo

  2. Taí. Aprendi mais uma. Primeiro essa tal coisa de fogão por indução. Mas essas das panelas apropriadas é prá cair os cabelos do sovaco, hein! Belo oligopólio dos fabricantes de fogões e panelas…

  3. Luiz Paulo, para ser sincera, não tive a menor curiosidade de pesquisar como funciona a tecnologia por indução, e traduzi como “fogão de indução” por minha conta. Se já estava sem paciência com o manual de instrução, imagina o resto! Mas conceitualmente, a diferença é o fato de que o calor é gerado diretamente no recipiente.

    Se você quer saber na prática, é uma placa igual a da minha casa que você conheceu, não sei se você lembra. Uma placa negra lisa, com os locais onde esquenta para as panelas desenhado. Os fabricantes afirmam, e já verei se é verdade mas deve ser, que é o mais parecido ao fogo em termos de velocidade e controle do aquecimento, consome menos energia e é mais fácil de limpar que um fogão tradicional.

    Ele também não tem aqueles botões que giram para ligar e regular cada bocal, o controle é todo feito direto na placa, se e somente se, tiver um recipiente adequado sobre o bocal a ser utilizado.

    Respondi?

    Besitos

  4. Selma, me acabei de rir dos cabelos do sovaco caindo! hahahahaha… pois é, parece que não aceita panelas de vidro, alumínio, barro… quando todas minhas panelas chegarem é que vou testar. Aqui só tenho algumas para quebrar um galho e já vi que as frigideiras rodaram!

    Vanessa, pois aí está, virou crônica! Pelo visto, acho que ainda terei algumas histórias para contar! 🙂

    Besitos

  5. Entendi tudo. Deve ser parecido com o fogão a lenha que eu tenho aqui no terraço, só que não precisa de lenha nem faz fumaça. A vantagem do fogão a lenha é que não tem manual.

  6. Viu que sorte você tem? 🙂 Além do terraço e do fogão a lenha sem fumaça, nem precisa de manual!

    Agora, você falando nisso, o forno novo tem uma função que é cozinhar como em forno a lenha, achei o máximo! Assim que der, vou testar com uma pizza!

  7. Hahahaha. Hummm to gostando desse forno rsrs ainda mais se voce começar a fazer receitas de experiencia rsrsrsrs .
    Beijosss

  8. Oi Bianca voce ja deve ter descuberto que as panelas pra induçao sao muito mais caras, bem voce vai descobrir tambem que elas demoram mais para começar a cozinhar ou seja pra esquentar, e tambem voce tem de apagar o fogo antes uns dez minutos e ela continua cozinhando, senao te queima a comida ou seja adapte sua receita.
    Bem o bom è que seu forno deve ser pirolitico, se for pirolitico total voce liga ele torra a sujeira e voce limpa o pozinho, se for pirolitico a meias, ele so faz isso na parede do fundo os lados voce tem de limpar.
    Bem boa sorte

  9. Depois desta resposta da Antonia, vou passar bem longe do tal fogão de indução… Já pensou, ter que reaprender a cozinhar??? Necas de pitibiribas!

  10. Além de cozinhar por ´´dedução“ ainda tem o pirolítico total ? Espetacular ! Felicidades nas mudanças !

  11. Henrique se animou a comentar por aqui! 🙂 hehehehe… também pensei a mesma coisa! Quando li a história do “pirolítico”, mil piadas vieram na cabeça! rs

    Não que tenha muita certeza do que signifique, né? Pirolítico… pirômano… pirado… fogão que induz… que deduz…

    O mundo está ficando muito complexo!

  12. Oi, Antonia!

    Não sei esse negócio do pirolítico… heheheh… vou me informar! Mas já usava o fogão de placa de cerâmica, então estou acostumada a tirar as panelas de cima do bocal quando acabo, ou a comida continua cozinhando. Olha, esse não custa a esquentar não, até que estou achando melhor que o de cerâmica.

    Quanto às panelas, a princípio, acho que as únicas que terei que substituir são as frigideiras mesmo. As outras, me parecem que são adaptáveis.

    O que você não sabe ainda e vou te contar agora, é que tenho um desvio de personalidade feminino e sou completamente tarada por panelas! Normalmente, mulheres detestam ganhar ou comprar panelas e eu fico pirolítica total com elas… heheheh… ou seja, estou acostumada a investir nelas também 🙂

    Besitos

  13. Oi, Selma!

    Pois tive que reaprender algumas vezes. Quando saí do Brasil e fui para Atlanta, foi muito pior! Porque ali o fogão era com umas resistências elétricas em espiral. Parecia aqueles incensos antigos de matar mosquitos, um horror! Também, ninguém cozinhava mesmo! Ainda por cima, todos os dias eu disparava o alarme de incêncio… heheheh… depois eu conto!

    Então, quando vim para Espanha e comecei a usar fogões de placas de cerâmica, já foi um alívio. Mas sim, tem essa preocupação que a placa não esfria instantaneamente, como quando você apaga o fogo. Mas acho muito mais fácil mudar a panela de lugar do que calcular o tempo que vai levar depois para terminar de cozinhar. Às vezes, é até melhor, por exemplo, quando você faz arroz, sempre depois de desligar é bom deixar a água terminar de secar. Se já estava com o “fogo” baixinho antes, o arroz até seca mais depressa sem queimar. Enfim, vai se aprendendo.

    Ou seja, a diferença entre cozinhar com fogo e por indução, já tinha aprendido antes. Agora é só o funcionamento mesmo, que tinha essa manha das panelas. Se soubesse, tinha perguntado para Antonia. Agora já sei para quem perguntar! 🙂

    Besitos

  14. Oi Bianca.
    Bem as panelas e utensilios usados para induçao tem um selinho embaixo ou escrito mesmo induçao. Eu tambem adoro panelas, e meu sonho sao varias le creuset claro. Voce nao pode imaginar a quantidade de acidentes e queimaduras em crianças espanholas com o vitroceramica convencional, esse è um dos principais motivos de a placa de induçao ser tao usada em qualquer cozinha normal.
    Se vc tem um forno siemens voce tem o melhor tem um que alem da cozinha a lenha, tem cozinha a ar e inclusive seca alimentos, e tem a funçao microondas tambem.
    Pirolitico è quando o forno esta sujo voce liga na funçao e ele aquece a muitos graus e desintegra a sujeira e faz com que vire po.
    Eu em minha cozinha tenho uma placa de induçao, e um fogao a lenha com fogao lareira e forno, afinal que aqui è Galicia, e tambem claro uma maquina de pao.um beijo segura que sua cozinha è um show.

  15. Aaaahhh, então você também é chegada na cozinha? Pois a creuset é minha favorita, mas ainda está empacotada e chega na próxima fase da mudança. Então, quer dizer que ela funciona na indução, né? Maravilha, porque era a única que estava meio na dúvida. As outras tem escrito em baixo que funcionam também por indução (porque são da mesma linha de uma que eu trouxe e funcionou). Só mesmo as frigideiras é que não funcionaram, mas sabe como é a lei de Murphy, foi justamente as que peguei para testar, claro! Entendi o que é pirolítico e tomara que seja, só não tive paciência de procurar no manual se era 🙂 Tenho feito pão caseiro (aqui ainda não, mas a partir da semana que vem, acho que já vai dar) mas não uso máquina, aproveito para encher a massa de pancada e desabafar… rs. Fogão à lenha é o máximo, quando crescer terei um, quem sabe… Besitos

  16. Oi Bianca, eu em realidade sou meio brasileira, quer dizer nasci no Brasil mas de uma familia completamente italiana, e me casei com um austriaco, de uma familia italiana tambem, quer dizer somos de todo mundo. Aqui fazemos ate a massa de macarrao, lasanha, confituras, pizza, pao, e tudo plantado aqui. Alias fazemos sabao, sabonete, sabao de lava louça, tudo que voce pensar em casa. Ate o azeite de lavanda de massagem fazemos aqui. Bem isso è outra historia. Mas eu amo cozinhar, alias entrei no seu blog pela primeira vez por uma receita, voce tem duas afcciones em comum conosco aqui, a cozinha e o Caminho de Santiago.
    Quando pensamos em um lugar para viver depois da aposentadoria escolhemos a Galicia pelo Caminho de Santiago. Eu moro num trecho do caminho portugues.
    Alias gosta ria de compartir algo com voce as frigideiras espanholas sao pessimas e nao duram nada, eu ja troquei um monte de vezes.
    Mas se voce quizer umas boas o carrefour tem uma linha nova francesa profissionais de bom preço, alias o carrefour tem muita coisa de cozinnha francesa tem de garimpar mas voce encontra coisa muito boa.
    As facas de alicante sao otimas tem de todo tipo, e de vez enquanto eles tem um jogo profissional todo em inox.
    O Corte Ingles tem otimas facas a partir de 80 euros.
    Mas que digo eu tudo isso voce ja deve ter, mas fica a sujestao as vezes amigos brasileiroa me perguntam sobre facas no carrefour nao vao se decepcionar.
    um beijo.

  17. Oi Bianca

    Essa coisa de aparelhos novos é um problema mesmo, fui ver um fogão novo pra comprar e caramba tem tantas novidades que a gente fica sem saber se faz mesmo tanta difença na hora de cozinhar! Mas fogão “inteligente” eu ainda não conhecia, hahahaha.

    Beijos

    Marianne

  18. Bianca descobri essa semana uma coisa bacana e tava louca pra te contar.

    Bom, semana passada cheguei em casa depois de tomar 2 tacinhas de vinho (equivalente a vc tomar mais ou menos 2 garrafas ou 2 baldes,hehe). Bom, tava gozadinha e tal….
    Fui botar água pra fazer cha de erva cidreira pra relaxar e dormir. Ta e fui dormir.

    Acordei no dia seguinte e a primeira coisa que me veio na cabeça foi: nossa, o cha ta até agora em infusâo??????
    Fui ver e a panela estava NO FOGO, esturricada. Perto tinha plastico, azeite e tudo que vc pode imaginar. Nâo botei fogo no edificio inteiro porque acho que existe algum anjo que passou a noite mandando “polvitos magicos” pra eu nâo matar todo mundo.

    Bom, porque eu contei tudo isso? Porque no seu fogâo de induçâo isso nâo aconteceria. Nunca da problema de incendiar a comida ou a casa.
    Legal, né?
    Bjao.

Seja bem vindo a comentar! Sua resposta pode demorar um pouco a ser publicada.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s