Yo camino

Dia 28 de setembro, embarco na próxima caminhada de longa duração, os primeiros 150 km do Caminho de Santiago. Lá vou eu de novo! O plano “A” é começar em Sant Jean Pied-de-Port e ir até Logroño.

 

Uma coisa me alegra, outra me assusta. A primeira é que Luiz vai junto, ou seja, será uma oportunidade de dividir uma experiência intensa. A segunda é… que Luiz vai junto!  E não há como não pensar em que tipo de impacto isso terá no nosso convívio. Estou otimista, mas não ingenuamente. Depois de trilhá-lo, entendi que o assunto é sério. A gente até pode se divertir, mas não há espaço para distrações sem consequências.

 

Existe a possibilidade que eu continue o caminho sozinha por mais alguns dias, mas não tenho certeza, vai depender de muitas coisas, entre elas dos meus pés estarem em boas condições. Fisicamente, não acho que esteja tão bem preparada quanto da última vez, mas acho que consegui conservar um bom desempenho e o principal, ganhei a atitude necessária. Acredito que não vá voltar tão atordoada, mas isso a gente só descobre na hora.

 

Um amigão do Rio, que fez os últimos quilômetros comigo em junho, está nos ajudando bastante com informações. Os imprevistos fazem parte do roteiro, mas a estratégia é fundamental. O quanto mais pudermos nos preparar, melhor, porque uma vez lá, a gente já entra direto no olho do furacão. É quase sempre possível terminar o trecho, mas faz muita diferença em como a gente volta para casa. Sem preparo, físico e psicológico, a gente pode se machucar feio.

 

Bom, nem sempre é assim tão pesado, a contrapartida compensa muito, aqui e lá. É gostoso ver os amigos vivendo a experiência de alguma forma, Luiz ganhou de presente roupa, guias, cantil, repelentes… tudo para o caminho. Também tem sido legal treinar com ele caminhando pela cidade ou pelo parque. É bom quando a gente tem uma atividade em comum, fortalece alguns laços.

 

E a magia do Caminho, essa já conheço bem, ando escutando ele me chamar de volta.

 

 

“Se meus joelhos não doessem mais

diante de um bom motivo

que me traga fé, que me traga fé

se por alguns segundos eu observar

e só observar

a isca e o anzol, a isca e o anzol

ainda assim estarei pronto

pra comemorar

se eu me tornar menos faminto

que curioso, curioso

 

o mar escuro trará o medo lado a lado

com os corais mais coloridos

 

valeu a pena, eh eh

sou pescador de ilusões

 

se eu ousar catar

na superfície de qualquer manhã

as palavras de um livro

sem final, sem final

sem final, sem final, final”

 

(Pescador de Ilusões – Marcelo Yuka/ O Rappa)

Seja bem vindo a comentar! Sua resposta pode demorar um pouco a ser publicada.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s