115 – Uma maratona de comemorações

Começou no próprio dia 18 de março, quarta-feira, quando celebramos só nós dois. Jantamos em casa mesmo e tomamos um vinho enfurecido.

 

Na quinta, chegou um amigo da Suíça que veio para a festa. Deu um jeito de conciliar uma visita a cliente com a data e lá fomos nós jantar no El Rincón de Jaén. Nós três e o mesmo número de garrafas de vinho, fora uma incomensurável prancha de mariscos.

 

Na sexta, dia da festa de bodas de cristal, acordei sonolenta, mas elétrica. Estava naquela euforia infantil de chegar logo no parque.

 

cimg2977

 

E uma experiência diferente, praticamente não tive trabalho, porque foi tudo contratado, o que é raro, costumamos fazer as festas em casa. Dessa vez, optamos por um bar chamado El Naranja, moderninho, aconchegante e administrado por um casal jovem e super simpático. O local só não foi totalmente fechado para a gente porque ficava difícil ter alguém na porta controlando a entrada, mas a música era nossa e a verdade é que os convidados da festa ocuparam quase todo o espaço. E os desconhecidos que apareciam, ia logo me apresentando como a noiva, falei com o bar inteirinho! Lógico, com o povo de farra dizendo que eu tinha várias novas amigas de infância.

 

foto42

 

cimg3086

 

O destaque foi para a música, tivemos o privilégio de contar com os shows de dois artistas brasileiros que considero entre os melhores na noite madrileña, Afonso Rodrigues e Lenna Pablo. Arrebentaram!

 

Afonso Rodrigues
Afonso Rodrigues

 

 

Lenna Pablo e Jomar
Lenna Pablo e Jomar

 

 

Paguei os micos de costume, toquei tantam, ofereci música para Luiz, tudo que tinha direito! Estava feliz pacas! Até no palco subi enquanto o Afonso precisou de um intervalo, por sorte, contei com as amigas marrom e a esposa do cantor para me fazerem companhia ao pisotear uma jaca gigantesca! Inclusive, a escolha da música foi perfeita para a ocasião, qualquer hora tomo coragem de postar o vídeo no sefodeaí.com.

 

foto7

 

O resumo da ópera é que foi o máximo! Para nós é um prazer poder dividir os momentos felizes com os amigos. Completa um círculo de energia boa e de futuras memórias que quero construir para sorrir com meus botões quando não puder mais fazer nada parecido.

 

Ficamos até o último convidado e os donos do bar acenderem as luzes. Na saída, junto com alguns casais de amigos, ainda nos ofereceram uma irresistível coxinha, que por incrível que pareça, além de gostosa estava quentinha. O rapaz disse que era músico, tocava cuica, mas se virava vendendo salgadinho.

 

Fomos dormir cansados, mas não até muito tarde, porque está pensando que acabou? No sábado tinha churrasco dos imparáveis aqui em casa! Início de primavera, todos loucos para fazer uma fotossíntese básica e afoitos por carne no carvão. Além do mais, era o chá de bebê de uma das amigas, juntamos tudo e fizemos o churraschá. Demoramos tanto a marcar que o bebê nasceu uma semana antes, assim que pode comparecer ao próprio evento como convidado especial e foi iniciado como o mais jovem imparável.

 

Admito que peguei no tranco, estava meio lerda, irritável e com pouca habilidade para me comunicar. Só não fico muito quieta pelos resquícios da hiper atividade, é o efeito bicicleta, posso até pedalar devagar e no plano, mas se parar eu caio. Tratei de caçar função em uma das churrasqueiras.

 

As comidas e bebidas, os convidados trouxeram, nós só oferecemos a casa porque sabia que dessa vez não teria a menor condição de preparar nada no dia. A carne, dividimos o valor e estava divina! Um dos amigos trabalha em uma churrascaria e tinha um bom fornecedor a preço de atacado. Resultado, carne para cassilda e um pouco mais! Olha que comemos nababescamente, éramos umas 30 pessoas e ainda assim sobrou para um próximo churrasco. Tive que distribuir sacolas de carne aos últimos convidados porque não cabia na geladeira.

 

Comecinho de madrugada e estávamos mortos! Tudo bem, acho que nosso estado de calamidade pública devia estar estampado na cara, porque ao final, para nossa felicidade, todo mundo ajudou a arrumar a terraza. Foi só o tempo de tomar um banho e desmaiar.

 

E, no domingo, sabe o que a gente fez? Nada, mas nadinha de nada!

 

6 comentários em “115 – Uma maratona de comemorações”

  1. Pois é chica, foi realmente tuuuuuuuuuudo de bom poder estar com voces nessa grande celebraçao dos 15 !!!
    Foi tudo perfeito e nós conseguimos sobreviver a este fim de semana hahahaah
    Beijos

  2. Oi, Didis! E ontem Lenine, hoje coral… haja fôlego! hehehehe… Desconfio que vou ficar quieta no finde, será que aguento? 😛
    Besitos

  3. Bom dia! Gostaria de saber, qual cardápio servir numa festa de Bodas de Cristal?
    Desde já agradeço a atenção.

  4. Tânia, se é que há um cardápio específico para isso, não conheço. Acho que o mais importante é compartilhar com as pessoas queridas, afinal, 15 anos de casados é motivo para celebrar e muito! Sorte!

Seja bem vindo a comentar! Sua resposta pode demorar um pouco a ser publicada.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s